• Rubén Martins

Improvisos nos primeiros socorros

Muitas vezes em situações de Primeiros Socorros em meio à natureza não temos tudo que precisamos, por isso veja essas dicas de como saber dicas de improvisação para a “hora H”.

Os Kits de Primeiros Socorros costumam ter apenas utensílios básicos e é muito importante conhecermos todas as utilidades de cada item, para torná-lo multifuncional. Existem materiais específicos para cada situação de emergência, mas saber improvisar pode ser fundamental para manter a vítima de uma acidente viva em algumas situações mais inusitadas. A proposta desse artigo é dar dicas de improvisos de primeiros socorros para os aventureiros de plantão.

Cortes

Basicamente o Kit de Primeiros Socorros consegue atender quase todas as nossas necessidades quando o problema são cortes. Com uma gaze normalmente conseguimos estancar cortes com sangramento de menor complexidade. Já os sangramentos de maior intensidade é que precisam de mais cuidado.

O improviso: Em um corte onde o sangramento é intenso (hemorragia venosa) podemos controlar utilizando uma toalha limpa para manter a ferida sem contaminantes e estancar o sangramento. Se fossemos usar a gaze que está no Kit de Primeiros Socorros teríamos que usar quase um pacote inteiro para esse tipo de controle.

Quando o corte é de alta intensidade (hemorragia arterial) a vítima pode entrar em choque e vir a falecer. Nessas situação é preciso improvisar um garrote (torniquete) para barrar a hemorragia. Podemos improvisar com uma corda (os esticadores da barraca por exemplo) ou até mesmo com a atadura que levamos em nosso kit. Para fazer o estancamento do sangue proteja o braço em um local mais acima do ferimento e amarre a corda ao redor colocando junto um graveto (ou espeque) para poder torcer a corda e pressionar até que o sangue pare de passar.

Mas vale lembrar que este procedimento só deve ser usado em casos de hemorragia arterial e em último caso.


Trauma na cervical


Um tombo de uma altura grande ou apenas de mal jeito pode ser o suficiente para gerar um trama na região cervical. O ideal para a estabilização da cervical da vítima é usar um colar cervical, mas como se trata de um equipamento grande, não termos com transportar em nosso Kit de Primeiros Socorros.

O improviso: Um colar cervical pode ser improvisado com 2 bonés e uma tala.

Na falta dos bonés, toalhas enroladas ou até mesmo nosso saco de dormir, podem ser úteis. Nesse caso apenas enrole ao redor do pescoço de forma que fique firme e mas não sufoque a vítima.

Esse procedimento deve ser feito sem mexer no pescoço da vítima.

Fratura em membros

A fratura de membros é algo frequente e bastante complicado, especialmente se for nos membros inferiores, o que além do trauma, dificulta o deslocamento. Uma situação também bastante delicada é quando a fratura acontece internamente de forma que não anatômica. O osso humano é como uma navalha e se não for imobilizado ele poder gerar cortes e hemorragias internas.

Improviso para imobilização:

É muito importante termos uma atadura em nosso Kit de Primeiros Socorros, com ela podemos improvisar a imobilização de membros usando galhos de árvore.


Outra possibilidade é usar as varetas da barraca no lugar do galho e caso não possua uma tala é possível improvisar também usando uma corda ou os esticadores da barraca para amarrar o membro fraturado ao galho.


Se no caso a fratura for em membros inferiores, além de utilizar ganhos para imobilização também podemos usar nosso bastão de caminhada ou, é possível improvisar também com a tala apenas, nesse caso, ligando a perna com trauma com a perna sem trauma, esta imobilização é conhecida como sereia. Para dar mais estabilidade para essa imobilização é interessante colocar um saco de dormir dobrado entre as pernas para firmar melhor o membro.


Lembramos que sempre devemos ter muito cuidado na manipulação de uma membro com fratura, para não agravar a situação e não ocorrer o rompimento de nenhum vazo sanguíneo (que poderia também causar uma hemorragia interna).


Queimadura

Fogueiras e fogareiros sempre podem causar acidentes em suas aventuras. Existem muitos mitos de como amenizar as queimaduras, mas que nada resolvem, por isso é sempre bom lembrar: jamais deve se colocar pomada, borra de café, gema do ovo, pasta de dente, nada disso irá resolver e ainda pode prejudicar!

O improviso: Para queimaduras menos graves, de primeiro ou segundo grau a melhor coisa a fazer é colocar em água corrente, ou lavar com água potável que você tenha em um cantil ou mochila de hidratação. Em casos de queimaduras de terceiro grau quando os tecidos e músculos são afetados a principal necessidade é proteger a ferida de possíveis bactérias, pode ser com um saco plástico limpo ou com uma tolha limpa molhada.


Fonte: FuiAcampar


19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

© 2018 Claudino Junior

   Rua Imaculada Conceição, 363 - Curitiba, PR